Contato

quinta-feira, 8 de setembro de 2016

Saudações Mortais,

Acabei de criar.

A sede arranhava minha garganta
Como as mãos da Morte com suas garras compridas
Meu pensamento já não seguia mais uma linha 
Lógica de raciocínio 
Tudo estava chegando ao fim...
Então te avistei ao longe
Sentado em um banco de parque
Silencioso e solitário
Aproximei-me furtivamente
Coloquei minhas mãos em teus ombros
Me inclinei e sussurrei em teu ouvido:
Hora de partir meu querido
De alguma forma eu já sabia 
Que ele estava me esperando e, por isso, 
Não ofereceu resistência
Meus caninos aproximaram-se de seu pescoço
E sem pensar duas vezes, o mordi
Eliminando a sede que me consumia aos poucos
Ele não esboçou reação alguma enquanto eu
Sugava a essência de sua vida
Parecia que ele não estava ali...
Então quando me afastei de seu pescoço
E caminhei até ficar de frente para ele 
Foi que eu vi com horror
Ele já estava morto e havia sido
Logo antes de eu chegar
E agora? Forças das Trevas?
Pensei começando a me desesperar
O sangue que me manteria viva
Era o mesmo sangue morto que 
Agora acabava com ela...
Oh! Tanto tempo de espera...
Tanto tempo de planejamento
Para quando o momento chegasse 
E alguém chegou antes de mim
Alguém que não apoiava minha união
Com ele e agora ambos teríamos o mesmo fim...
Senti o sangue morto dele em minhas veias
Senti minha imortalidade desaparecer aos poucos
Eu estava deixando esse mundo...
Oh... tudo porque não observei os detalhes
A desatenção gera perdas irreparáveis
Então tudo começou a esmorecer
Minha visão escureceu, meu corpo fraquejou...
Caí de joelhos em frente àquele que pensei 
Que seguiria comigo ao longo dos séculos 
Sem esperança... sem chance... sem nada... só a escuridão
O último suspiro, a última visão
De algo que poderia ter sido e não foi
De algo que me foi tirado antes mesmo de ser meu...
Oh Mestre! Estou de volta ao meu lar, de volta à
Escuridão...


segunda-feira, 28 de março de 2016

Bipolaridade


Saudações Mortais,

Coloquei esse vídeo porque achei simples e prático. Explica muita coisa e talvez muitas pessoas que acham que a pessoa que tem bipolaridade fica "se fazendo" para aparecer e chamar a atenção, mudem de ideia e, ao invés de se acharem donas da razão, comecem a ajudar e a entender mais.









https://www.youtube.com/watch?v=HGIUGROWdlc


Até a próxima,


Diário bipolar

Saudações mortais...

Bem, aqui estou eu ainda nesse mundo... Hoje não fui trabalhar porque não passei bem. 
Acordei mal do estômago e com dor de cabeça (dor esta que tem me acompanhado quase todos os dias e tem me deixado irritada, para variar).
Eu não poderia ficar o dia inteiro em casa e não fazer nada a respeito. Estou cansada disso. Faz 4 meses que eu parei de tomar a porqueira da medicação e não é de se admirar que eu ouvi reclamações, com razão, do meu marido em função das mudanças bruscas de humor. Meu filhote também já sofreu com os ataques de raiva, não com ele, mas comigo mesma. 
Por sorte, depois que aconteceu a tempestade do dia 29 de janeiro, meu cargo de bibliotecária foi extinto, mas para surpresa minha o ditado que diz que há males que vem para bem, serviu direitinho.
A gerência que eu aturava por 7 anos já não é mais nada minha. Comecei a conversar com outras pessoas ao invés de ficar como um  bicho do mato socado o dia inteiro na minha sala, catalogando livros. E de quebra, ganhei um voto de confiança do diretor para ver se eu consigo assumir uma atividade e concluir com sucesso.
Mas a parte disso tudo é que surgiu uma luz no fim do túnel, literalmente falando.
Comecei a conversar com uma colega que eu só cumprimentava antes e ela me deu umas dicas muito interessantes de onde buscar ajuda para essa porqueira de bipolaridade.
Conversamos bastante e eu me convenci que precisava de ajuda, porque do jeito que estava, estava começando a ficar difícil. Bem, difícil. Na verdade, quem tem essa droga de doença deixa os outros à volta doentes também, porque é uma coisa complicada de conciliar.
No último texto que eu escrevi, disse que não queria fazer o tratamento porque era caro e porque eu iria ficar como uma múmia. Mas na verdade não é isso, não adianta nada ter um monte de criações e criatividade explodindo se eu não consigo concluir droga nenhuma. Ter milhões de ideias e não concluir nada, não tem tem valor algum. Acaba dando no mesmo, só que a pessoa fica uma múmia mais ativa, só isso. E a frustração de não conseguir concluir nada nesse mundo deixa a pessoa pior ainda.
Foi por isso que hoje eu tomei uma decisão: vou voltar a cuidar de mim. Comecei a tomar meus remédios e marquei uma triagem na Fundação Mario Martins. Vamos ver o que vai dar, no mínimo, pior não fica. Como eu escrevi antes, minha maior preocupação são meus filhotes peludos que não se cuidam sozinhos. Se eu não me cuidar, que adiantará tudo isso? Daqui a pouco vai me dar um piripaque e eles vão ficar sozinhos e nada vai adiantar. Meu filhote também não precisa de uma mãe bipolar sem controle algum como exemplo do que não se deve fazer.
Tenho um outro blog Verdade mentirosa, mentira verdadeira em que eu digo que, se as pessoas não concordarem com o que eu digo, ao menos elas terão como exemplo o que NÃO se deve fazer, mas falando a verdade, desde que eu contribua com alguém nessa vida, já ficarei feliz, mas no fundo do coração, com meu filho eu não quero ser o exemplo do que NÃO SE DEVE FAZER  e sim do que É O CERTO. Penso que devemos contribuir de alguma forma, mas se for possível, que seja de forma a mostrar o positivo e não o negativo. :)
Então, por isso estou aqui hoje, para iniciar meu Diário Bipolar. Acredito ser uma maneira boa e positiva de me ajudar (porque amo escrever) e de ajudar outras pessoas que podem estar na mesma situação que eu.
Como eu disse antes, quero contribuir de forma positiva e não ser um exemplo para os outros do que não se deve fazer.
Sendo assim, publicarei aqui, minha caminhada rumo à convivência e aceitação do que é viver com essa droga deselegante de doença que é a BIPOLARIDADE.
Pelo menos, o primeiro passo eu já dei: medicações e ajuda profissional. Vamos ver o que vai acontecer na sequência.
Também gostaria de deixar aqui registrado meu muito obrigada à minha colega que me passou as informações da Fundação e que me disse o que eu já sabia, mas não colocava em prática, que se eu estiver bem, todo o resto fica bem e que o importante é a gente se cuidar.
Valeu!


quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

Maldita bipolaridade

É, ainda não me matei (para alegria de uns e tristeza de outros...)
Não sei o que fazer... hoje tudo ficou muito claro pra mim: ter essa doença é literalmente um inferno. Passo do bom pro terrivelmente ruim em segundos. Se tomo o remédio fico como uma pessoa normal: literalmente uma idiota. Nada contra as pessoas normais, é sério. Tenho inveja delas, porque elas vivem seus dia a dia de forma pacífica, rotineira e não tem esses ataques de raiva, de loucura, de extremidades e de muita criatividade. 
Estou há um mês ou mais sem tomar os malditos remédios e confesso que até agora não preciso deles, mas já passei por surtos de raiva, de alegria, de solidão e de tristeza sozinha porque não quis falar com ninguém da minha família, muito menos com a psiquiatra. 
Quando isso aconteceu, eu me soquei no quarto e fui dormir antes de chorar como uma condenada no travesseiro.
Hoje posso dizer que estou normal, normal naquelas... estou com milhões de ideias, meu pensamento não acompanha a velocidade do que eu quero fazer e, na maioria das vezes, me esqueço do que estava falando sozinha, ou fazendo, para ter de parar com tudo para me organizar e tentar ver de onde eu parei...
Falando sério mesmo, que inferno ter isso. É como ter um dom  amaldiçoado. 
Posso ver tudo tão claro e nítido quando não tomo os remédios, mas ao mesmo tempo, tenho acesso de raiva e de tristeza que me afasta das pessoas que eu amo. É como se eu tivesse acesso ao universo todo, mas pagasse um preço bem alto por isso. Um preço que me cobrasse a felicidade e me desse de "presente" a solidão.
Se eu tomo os remédios, fico normal, como se eu fosse uma linha reta. É como se toda a criatividade que existisse em mim sumisse e eu fosse um zé ninguém, mas quando eu não tomo os remédios, minha criatividade e espontaneidade fluem tão natural como se isso fosse o normal. Tenho mil ideias, mas de algum jeito, nenhuma dela se concretiza... e isso me frustra como seu eu fosse uma nulidade.
Eu queria fazer tanta coisa de útil nesse mundo inútil... queria fazer alguma coisa pra ajudar, mas não consigo. Sou a contradição em pessoa.
Sou tão criativa, mas não consigo levar minha criatividade adiante. Muitas vezes já desejei não ter nascido com esse monte de coisas: saber pintar, desenhar (acho que também sei cantar), tocar piano e violino, ter ouvido absoluto como o de Beethoven, que amo de paixão, ter um sotaque alemão sem ser alemã (minha professora de alemão que comentou isso, chegando a perguntar se eu jé tinha estudado alemão antes quando entrei pro  primeiro semestre de alemão na escola CLEM). Queria não saber escrever minhas histórias de vampiros e que meus leitores não gostassem tanto delas, queira não saber escrever, quera não saber tricotar, queria não saber bordar, queria não saber fazer tanta coisa (fazer bijouterias) e não queria saber de tanta coisa de artes e literatura, talvez assim eu não sofresse tanto. 
Ter um monte de conhecimento e não usar é cruel, é doloroso. E é isso que acontece comigo, que tenho essa maldição de bipolaridade.
A vida por si só já é ruim e eu consegui ter essa mala biológica para piorara minha vida. Sei que a medicação ajuda, mas nos dias de crises gastar R$300,00 de remédio é um absurdo. Gastar R$300,00 em algo que me deixa como um robô, com atitudes mornas e sem graças, mas que faz com que eu  não tenha surtos de estupidez, raiva e gastos sem necessidades?
É a maldita doença do 8 ou 80 literalmente falando. Não sou melhor do que ninguém, mas quando a gente tem acesso ao muito criativo que existe em nosso cérebro e no potencial que ele tem é praticamente impossível querer tomar aquele maldito Carbolitium para pôr ordem na casa. 
Toda a vez que eu todo o remédio corretamente, eu mando todos os meus personagens dos meus livros pro inferno. Eu não tenho criatividade para dar vida ao Chistopher, meu vampiro do livro A ilha, por exemplo. Não adianta eu ficar pensando nele e na história que nada acontece. Mas eu sei que se a minha imaginação ficar solta, ele ganha vida, a história continua e os meus leitores agradecem, mas sou eu quem me dano depois com a minha família. Por isso penso que se eu desse um jeito de sumir desse mundo seria melhor. Não mais incomodaria as pessoas que gostam de mim, mas também não posso fazer isso porque assumi um compromisso com 3 anjos...
Tenho 3 cachorros que dependem de mim e que não me pediram para vir pra cá, porque fui eu quem os procurei. Como posso deixar 3 anjos que não sabem se cuidar sozinhos se eu for embora? Eu não sei o que vai acontecer com eles se eu morrer. Provavelmente minha família não os vai querer e sabe-se lá o que o Diabo vai fazer com eles...
Mais um problema que eu criei pra mim, mas que não posso largar de mão...
Mas também não quero magoar as pessoas que gostam de mim com meus ataques de estupidez e fúria, mas também não quero comprar R$300,00 em remédio e ficar como uma múmia...
Por quê isso teve que acontecer comigo? Será que eu tenho que contactar meus pais e bater neles por eles terem me posto neste mundo podre com essa doença mais podre ainda? Eu não pedi para vir para cá, não pedi para passar por isso e agora não tenho a mínima ideia de como resolver esse problema infeliz.
Abençoada todas as pessoas que não são bipolares...